Intocável

Existe uma barreira na minha cabeça
Ela não deixa nada de útil passar
Minha massa cinzenta repousa
Minha mente não para de viajar

Na órbita dos meus dias soturnos
O navio escapa sem medo de afundar
As águas assimilam o meu destino
O mar me proíbe de voltar

Pássaros escondidos pedem perdão
Mortos nunca irão ressuscitar
Nos meus braços ainda sinto
A firmeza do suportar

Inevitável
Eu era terra
Eu sou estátua
Eu serei pó

Uma flecha ou uma espada
Qual era a minha arma?
Uma cela ou a guilhotina
Qual será minha punição?

Essas águas me devoram
Com antigas compilações
Essa força me renova
Com serenas tradições

Queria voltar para o passado
Onde cicatrizes não eram apenas
Marcas escondidas
Deformação

Quero riscar a minha pele
Conquistar o grito da liberdade
Tatuar cicatrizes
Elas serão a prova
Que um dia segui meu coração
Lutando a favor de algo intocável
Sem a qual não podemos viver

Anúncios

~ por Cirurgião em janeiro 11, 2011.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

 
%d blogueiros gostam disto: